Confira 5 dicas ideais para aumentar a imunidade do bebê

4 minutos para ler

Sempre que surge um surto de alguma doença nova, os pais ficam preocupados em como aumentar a imunidade do bebê. Antes de ajudar com essa questão, é preciso entender como funciona o sistema imunológico do corpo humano. Ele é um sistema de defesa que tem uma espécie de “memória” dos invasores já enfrentados antes.

Justamente por desenvolver essa memória, sempre que entrar em contato com o mesmo vírus, bactéria ou micro-organismo novamente, o corpo da criança conseguirá lutar contra esse problema. Por isso, entender como aumentar a imunidade do bebê é importante, assim como papais e mamães fazem bem em querer saber mais sobre isso.

Vamos às nossas dicas? Boa leitura!

1. Vacine em dia sua filha ou filho

A melhor forma para aumentar a imunidade do bebê é manter sua vacinação em dia. Ao sair da maternidade você já receberá uma caderneta com algumas indicações, como o teste do pezinho, teste da orelinha e as primeiras vacinas.

É importante seguir essas recomendações porque garantirão que o bebezinho fique protegido pela vida toda. Uma boa ideia é ter porta caderneta para guardar o caderno de vacinas, assim fica mais fácil de pegar tudo e ir para a consulta do pediatra ou clínica de vacinação.

O Calendário Nacional das Vacinação (CNV) obrigatórias e oferecidas pela rede pública pode ser conferido diretamente no site do Ministério da Saúde. Além dessas, ainda há possibilidade de complementar com vacinas em clínicas particulares, como as de meningite ACWY e B. Vale a pena consultar seu pediatra e ouvir a recomendação.

2. Amamente pelo maior tempo possível

A amamentação é o segundo fator importante da nossa lista que garante o aumento da imunidade do bebê. Os anticorpos da mamãe são transmitidos pelo leite materno. Isso significa que boa parte dos anticorpos que a mãe desenvolveu ao longo da vida, são herdados pelo filho ou filha durante o aleitamento.

Sem culpas: muitas mães não conseguem, seja o motivo que for, manter a amamentação por 6 meses, que é o mínimo indicado pela OMS (Organização Mundial da Saúde). Se isso acontecer com você, tudo bem, não se culpe. Existem outras formas de fortalecer o sistema imunológico de sua criança.

3. Faça a higienização correta dos acessórios

As crianças usam muitos acessórios infantis, desde mamadeira e chupeta, até babões e babadores. É importante que todos eles sejam lavados e higienizados para que não apenas a sujeira visível, mas os micróbios e bactérias sejam eliminados. Uma boa dica é passar a ferro as peças de roupa. Outra é ferver eventualmente aqueles acessórios que suportam alta temperatura.

Ao mesmo tempo, higienizar além da conta pode ser também prejudicial, pois o contato com essas bactérias se torna necessário para não desenvolver alergias na criança. Bom senso é sempre importante nesse quesito.

4. Proporcione uma boa hora do soninho

O sono do bebê, independentemente do horário que acontecer, é muito importante para o fortalecimento dele. Algumas funções do corpo só se iniciam nesse horário de repouso. Além disso, o sono noturno também é importante, porque ele é maior e mais constante, o que estimula melhor a recuperação de energia e fortalecimento das células.

5. Ofereça os alimentos certos para cada idade

Cada fase que seu pequeno ou pequena passa desde o nascimento exige um tipo de alimento. O primeiro deles é o leite materno, que em alguns casos pode ser substituído por uma fórmula indicada pelo pediatra. Depois disso, conforme o desenvolvimento do bebê, outros alimentos surgirão, como:

  • vegetais escuros, como brócolis e couve;
  • sementes oleaginosas e leguminosas, como feijão, lentilha e vagem;
  • diferentes tipos de cogumelos, como o shitake, shimeji e champignon;
  • ômega 3, bastante comum em peixes, como o salmão e sardinha.

Para entender qual a idade certa de oferecer esses alimentos, converse com o pediatra. Ele poderá indicar, inclusive, a forma como cada refeição pode ser feita.

A dúvida de aumentar a imunidade do bebê é comum nos primeiros meses de vida, mas pode persistir ao longo do crescimento da criança. Os riscos mais comuns para aquelas que estão com imunidade baixa são gripes e resfriados, bronquiolite e pneumonia. Ademais, o momento em que vivemos é delicado e requer cuidado dobrado com a saúde dos pequenos.

Você é ou conhece alguém que seja mamãe de primeira viagem? Veja nosso post com 7 dicas para quem está iniciando na maternidade!

Posts relacionados

Deixe um comentário